^ Back to Top

 

Ao contrário do que possa parecer, os ônibus gratuitos do programa “Transporte Público -- Tarifa Zero” da Prefeitura de Silva Jardim também estão facilitando a vida de munícipes que trabalham em outras cidades, assim como no próprio município, além de proporcionar lazer e turismo. Como é o caso, por exemplo, da linha que vai do Centro para o Distrito de Aldeia Velha, principal ponto turístico do Município. Ela é utilizada por silvajardinenses que trabalham em Casimiro de Abreu, os quais apanham o coletivo que sai do Centro da cidade de manhã e fazem baldeação na Reserva Biológica de Poço das Antas a fim de embarcarem em outro veículo que os leva até o município vizinho.

E transporta, ainda, funcionários para diversos postos de trabalho ao longo da BR-101 no trecho entre Boqueirão e a Reserva Biológica Mico-Leão-Dourado. Entre eles, os de uma fábrica de portas, um restaurante, uma fazenda e um posto de gasolina. Quanto ao Turismo, os coletivos para Aldeia Velha e outros pontos de atrações naturais, como Bananeiras e Pirinéus, vão de encontro ao objetivo do governo do Prefeito Anderson Alexandre em transformar o Setor na principal vocação econômica do Município.

No último dia 14/01, por exemplo, o horário de 6h30min para Aldeia Velha (o repórter viajou nele para produzir a matéria) levou seis trabalhadores de Silva Jardim até o ponto da Reserva Biológica, os quais seguiriam para Casimiro de Abreu num micro-ônibus de propriedade particular que sai de Aldeia Velha para Casimiro. Entre eles estava Edson Vander do Nascimento, funcionário da concessionária Mercedes Benz em Casimiro. Ele admitiu que, apesar da baldeação que precisam fazer, os trabalhadores descobriram que ir até o local no coletivo gratuito fica mais barato do que apanhar o ônibus da empresa regular que detém a concessão da linha entre Silva Jardim e Casimiro de Abreu. De segunda a sexta-feira, o ônibus gratuito sai de volta de Aldeia Velha às 18 horas.

Atualmente a passagem da linha regular entre Silva Jardim e Casimiro custa R$ 9,00, ao passo que eles indo no “Tarifa Zero” até na entrada de Aldeia Velha e apanhando outro carro sai por R$ 5,00. Edson Vander revelou que as pessoas estão utilizando mais a respectiva linha gratuita principalmente depois que a empresa que fazia o transporte regular retirou o ônibus que explorava a linha Silva Jardim-Macaé saindo do primeiro município às 6h20min. O ônibus gratuito do Centro de Silva Jardim para Aldeia Velha, por sinal, viaja com a lotação esgotada, mas a maioria é de trabalhadores que ficam em postos de trabalho ao longo da BR-101. Na viagem do último dia 14, aliás, apenas cerca de 10 pessoas, entre jovens estudantes e moradores, foram até o ponto final em Aldeia Velha. Os jovens seguiram para os rios e cachoeiras locais.

Além dos seis trabalhadores que seguiriam para Casimiro, cerca de 10 trabalhadores ficaram às sete horas em ponto na fábrica de portas. No restaurante na localidade de Peclat, desceram mais três funcionários. Numa fazenda mais adiante, saltaram outros dois; enquanto um ficou num posto de gasolina situado antes da entrada para Aldeia Velha. As demais linhas municipais gratuitas para localidades mais distantes do Centro, como Imbaú, Cesário Alvim-Varginha e Caxito, também estão facilitando o deslocamento de pessoas que trabalham no Distrito sede, inclusive na Prefeitura Municipal.

LAZER – Principalmente em épocas de férias como atualmente, os ônibus gratuitos também estão colaborando para o lazer de jovens e adultos do município e até de cidades vizinhas, os quais não dispõem de condução própria e pretendem usufruir dos encantos e atrativos naturais de Silva Jardim. Em Aldeia Velha, estes vão principalmente para a cachoeira conhecida como “Poço das Andorinhas”, a cerca de cinco quilômetros do Centro do povoado na Estrada dos Macharetes que dá acesso ao Distrito de Lumiar, em Nova Friburgo.

Como foi o caso do estudante Diego Pereira, morador no Distrito de São Vicente, em Araruama, que no último dia 14 chegou a Aldeia Velha no ônibus gratuito da linha municipal. De férias e pela primeira vez no Poço das Andorinhas, ele disse ter ficado impressionado com a beleza do local e que pretende voltar mais vezes. 
Já outro estudante de Silva Jardim que sempre vai de ônibus se divertir em Aldeia e preferiu não se identificar disse ter ficado preocupado por ter ouvido dizer que moradores de Aldeia Velha estariam pensando em solicitar a Prefeitura que retire os ônibus que circulam por lá aos finais de semanas. “Estariam dizendo que as pessoas de Silva Jardim que vem para cá de ônibus nos fins de semana fazem muita algazarra e sujeira no local. Mas não é justo pedir a retirada dos coletivos por causa disso. Afinal, o direito ao lazer é de todos, principalmente dos munícipes, e não só dos turistas que chegam de carros. O que precisa fazer é colocar fiscalização e orientar as pessoas a não sujarem, se for esse o caso”, argumenta o estudante.

TURISMO – De ônibus ou em condução própria, pessoas de Silva Jardim e cidades da Região estão afluindo cada vez mais ao Distrito de Aldeia Velha em busca de suas refrescantes cachoeiras e rios, principalmente em férias e feriados prolongados como o carnaval que se aproxima. Tanto que a administração da cachoeira do Poço das Andorinhas já está se preparando para fazer frente a essa demanda. O responsável Marcelos Soares diz que pretendem dar conta principalmente do atendimento aos visitantes que normalmente se hospedam nas diversas pousadas do vilarejo e têm o Poço das Andorinhas como um referencial de lazer e visitação no local. Ele já está providenciando inclusive melhorias num trecho da estrada que dá acesso ao atrativo e no estacionamento.

A procura do Distrito de Aldeia Velha por visitantes de outras cidades também está estimulando os investimentos em construção de novas pousadas e hotéis fazendas, assim como hostels. É o caso da “Estrela D’Alva”, a mais nova hospedaria do vilarejo, aberta ao público no último dia 15/01, com oito chalés e modernas instalações, localizada logo na entrada do povoado.

O trajeto de cerca de cinco quilômetros numa estrada de chão em aclive entre o Centro do povoado e o Poço das Andorinhas naturalmente que não anima qualquer pessoa a ir a pé até lá. Mas quem se arrisca a isso (como foi o caso do repórter), certamente tem a oportunidade e o prazer de observar detalhes que normalmente passariam despercebidos a quem está dentro de um veículo. Praticamente na metade da caminhada, pode ser dada uma parada estratégica para beber água fresca numa biquinha (como o repórter demonstra na foto) de onde o líquido jorra direto da fonte em frente ao portão de entrada da Fazenda Bom Retiro (uma Reserva Particular do Patrimônio Natural – RPPN – que, por sinal, funciona como um hotel fazenda).

Mais adiante, o caminhante passa pelo ponto onde o mesmo rio que flui do Poço das Andorinhas cruza a estrada por baixo de uma ponte. Quem estiver muito cansado e quiser desistir de ir até a cachoeira, pode ficar por ali mesmo, pois o ponto é de fácil acesso e o rio dispõe de pequenos poços e pedras onde muitas pessoas aproveitam para se refrescarem. No trajeto também podem ser observadas muitas espécies de pássaros, como canários da terra, e borboletas, a exemplo das azuis.

Mas quem aproveita o exercício da caminhada e vence o cansaço da mesma, certamente acha que valeu muito a pena o esforço. Pois ao chegar ao Poço das Andorinhas propriamente dito, depois de passar por dentro de um rio de águas limpíssimas e por outro córrego que desemboca no primeiro, vê descortinar-se diante de si uma imponente queda d’água de cerca de 15 metros de altura. Cujo volume escoa num grande poço que é sucedido por mais duas “piscinas” naturais com pedras onde os banhistas podem sentarem-se e usufruir à vontade. Como fez o repórter após a conclusão da matéria (foto), já que ninguém é de ferro.

SERVIÇO: 
-- Junto ao Poço das Andorinhas há uma pequena pensão com banheiro que comercializa almoços e refrigerantes.
-- O local também oferece atividades de Rapel.
-- A partir do Carnaval deste ano o acesso ao local passa a custar R$ 10,00 por pessoa.

 

Reportagem: Evaldo Peclat Nascimento

Leia mais:Ônibus gratuitos facilitam trabalho, lazer e turismo em Silva Jardim

 

Após cerca de um ano e oito meses desde sua implantação, o transporte público de tarifa zero trouxe inúmeros benefícios para a população de Silva Jardim, principalmente para os comerciantes da cidade, que registraram pelo menos 30% de aumento nas vendas dos últimos meses, comparado ao mesmo período dos anos anteriores.

Os comerciantes atribuem esse aumento nas vendas ao ônibus de tarifa zero, que está em funcionamento desde fevereiro do ano passado e facilita o acesso das pessoas ao Centro da cidade, sobretudo, àquelas que moram em bairros e distritos mais afastados.

Um dos comerciantes que percebeu essa melhoria foi Gilson Rodrigues, que é dono de um bar que fica em um dos pontos de embarque mais movimentados, próximo à Praça Amaral Peixoto. “Num momento de crise como esse que nós estamos passando, o transporte gratuito chegou em boa hora. E todo o movimento do transporte é bom pra todos os comércios, não só o meu”, pontuou Gilson.

Já o comerciante Luiz Pereira de Carvalho contou que antes da implantação do ônibus da prefeitura, grande parte das pessoas preferiam fazer compras em Rio Bonito, cidade vizinha. “O comércio daqui melhorou porque o interior passou a vir mais pra cidade. Não tinha transporte no interior. [...] O pessoal que a gente já não via há tempo passou a estar aqui no nosso comércio fazendo um lanchinho, tomando um refrigerante, sempre tem mais gente”, afirmou Luiz.

E os moradores de Silva Jardim confirmam as análises apresentadas pelos comerciantes. “Hoje a gente faz compra em Silva Jardim, em lojas, a gente dá prioridade à cidade... O ônibus nos solta, praticamente, na porta de casa e ainda economizamos o dinheiro da passagem”, relatou a dona de casa Rosilani Alves Leite, moradora do bairro Varginha.

Facilitou pra ir ao médico, e pra muitas outras coisas. Tem gente que mora lá dentro de Cesário Alvim e andava muito a pé. Esse ônibus facilitou muito mesmo pra comunidade, foi uma das melhores coisas que aconteceu”, acrescentou Rosilani Leite. “Quando tem que pagar passagem fica mais difícil a pessoa ir, mas como é de graça, vai uma porção de gente”, finalizou uma aposentada.

 

(Fotos: Lucas Madureira)

 

Leia mais:Transporte de tarifa zero beneficia comércio de Silva Jardim

 

O transporte de tarifa zero de Silva Jardim completou no último dia 15 um ano e meio de existência. Nestes 18 meses do transporte, o fluxo de passageiros foi de mais de 850 mil pessoas e a população já economizou mais de R$ 3 milhões, levando em consideração o valor de R$ 3,80 cobrado anteriormente, por passagem, pela empresa que presta serviço intermunicipal no município.

Inaugurado no dia 15 de fevereiro de 2014 pela Prefeitura, o transporte de tarifa zero municipal dispõe de 10 veículos equipados com ar-condicionado e obedecendo as normas de acessibilidade para o transporte público nacional. Além disso o transporte público de Silva Jardim é um dos mais modernos desta modalidade no Brasil.

Do fluxo total de passageiros do transporte de tarifa zero, 44,6% das passagens atenderam a localidade de Cesário Alvim e 15,6% a localidade de Imbaú, fazendo destes dois trajetos os mais movimentados do município. Os trajetos menos utilizados são os de Cambucaes e Lagoa de Juturnaíba, que representam respectivamente 1,6% e 1,5% do total de passagens.

O Prefeito Anderson Alexandre está feliz com os resultados alcançados pelo transporte e afirmou que o serviço terá tarifa zero até o fim de 2016. “É muito gratificante ouvir uma mãe dizer que com o dinheiro que economiza com as passagens ela consegue comprar carnes pra alimentar seus filhos. Estamos num momento delicado da economia nacional, mas o transporte de tarifa zero vou manter até o fim do meu mandato em 2016, pois essa economia do bolso da população contribui com a circulação de dinheiro no município e desta forma fazendo a economia local crescer.” Disse o Prefeito.

 

 

Leia mais:Transporte de tarifa zero completa um ano e meio de existência

 

Representantes da Associação Núcleo de Educação Ambiental da Bacia de Campos (NEA-BC), órgão coordenado pela Petrobras e licenciado pelo Ibama, estiveram na última terça-feira (3) em Silva Jardim, para conhecerem o transporte público de tarifa zero do município com o intuito de levá-lo para a cidade de Quissamã, no norte fluminense.

Os integrantes do NEA-BC foram recepcionados pelo Prefeito Anderson Alexandre, além do Secretário Municipal de Transporte, Fernando Alexandre; do Secretário de Governo, Mansuel Mansur; e os Gerentes Geral e Operacional do transporte de Silva Jardim, Alex Sanders Ferreira e Wecknandjord Falcão, respectivamente.

A comitiva do NEA-PC conheceu a estrutura do transporte municipal, além de fazer um tour pelo município utilizando o transporte. Além disso, tiraram dúvidas sobre o custo de aquisição e manutenção dos veículos. De acordo com o Assistente de Mobilização e Logística do NEA-PC, Wagner Nunes Firmino, a visita teve como objetivo conhecer o projeto e explicar a possibilidade de implantação do mesmo em Quissamã. "Nós viemos aqui exatamente para conhecer o projeto e mostrar para os governantes de lá que é possível implantar o transporte de tarifa zero em Quissamã", disse Wagner.

 

Participaram ainda da comitiva do NEA-PC os membros Isroberta, Zanato, Luciana, Carollayne, Bruno e Wellington.

Começou no dia 12 de janeiro a linha Bananeiras X Vargem Grande do transporte público de Silva Jardim. Os horários do ônibus são os seguintes: 06:00 horas da manhã (saindo de Silva Jardim via trevo de Bananeiras) e as 17:00 horas da tarde (saindo de Silva Jardim via trevo de Boqueirão).

FOTO:  da esquerda para a direita: Patrício Alexandre (Subsecretário de Governo), Mansuel Mansur (Secretário de Governo), morador de Vargem Grande, moradora, Fernando Alexandre (Secretário de Transportes), morador, e Weckmandjord Walviesse.

Prefeitura Municipal de Silva Jardim - CNPJ: 28.741.098/0001-57 - Tels:(22) 2668-1125/2668-1430/2668-2000 - Rua Luiz Gomes, 46, Centro - Silva Jardim/RJ - CEP: 28820-000